• Em Goiânia, feiras simbolizam tradição no comércio popular e se tornam opção de lazer

    05/02/2013 Categoria: Produtos

    Share

    Roteiro Cultural desta semana apresenta as principais feiras populares da capital e ensina como chegar de ônibus a cada uma delas

    Feira do Sol - crédito: Prefeitura de Goiânia

    Registros históricos apontam que as feiras públicas surgiram na época em que Jesus Cristo ainda era vivo. Mas foi na Idade Média (entre os séculos V e XV) que elas se popularizaram e ganharam força. Mais de 1600 anos se passaram e as feiras continuam como símbolo de tradição no comércio popular em todo o mundo. E em Goiânia não é diferente!

    Por aqui – contando apenas de quarta a domingo – são mais de 20 feiras especiais que movimentam os quatro cantos da cidade. Muita gente confere as novidades em roupas, artesanato, calçados, eletroeletrônicos, gastronomia popular e toda a variedade de produtos e serviços oferecidos.

    É pensando no fenômeno do comércio popular em Goiânia que o Roteiro Cultural desta semana faz levantamento das principais feiras que movimentam a cidade e pesquisa as linhas de ônibus que levam você até cada uma delas. Prático, não? Então vamos às compras!

    Conheça as linhas que levam as principais feiras de Goiânia

    Feira do Sol

    Feira do Sol - crédito: Prefeitura de Goiânia

    Localização: Rua 9, Praça do Sol, Setor Oeste.
    Dia da semana: domingos das 16h às 20h
    Linhas: 016 (T. Cruzeiro / St. Aeroporto – Eixo T-8) e 028 (T. Bandeiras / T. da Bíblia – Via T – 9). Desça no primeiro ponto da Avenida D após o cruzamento com a Rua 9. Ande poucos metros e desça a Rua 9 por duas quadras. Em menos de cinco minutos, você sairá direto na Praça do Sol.
    História: A Feira do Sol surgiu de uma ideia inovadora: um grupo de pintores e artesãos pretendia mostrar à população como eram produzidas as peças artesanais e as pinturas em tela ao ar livre. Desse encontro semanal de artistas na Praça do Sol surgiu a feira que leva o mesmo nome (foi devidamente registrada em 1º de Abril de 1990). Por lá, os visitantes encontram barraquinhas de alimentos, vestuário, bijuterias, antiguidades, flores e artesanato. A comercialização de produtos industrializados é proibida. Uma das atrações da feira que chama bastante a atenção da criançada é a comercialização de filhotes de cães. Para tanto, a prefeitura concede autorização por tempo determinado, o que permite melhor rodízio de criadores.

    Feira da Lua

    Feira da Lua - crédito: Prefeitura de Goiânia

    Localização: Praça Tamandaré – Setor Oeste. Dividida ao meio pela Av. Assis Chateaubriand
    Dia da semana: sábados. Das 17h às 22h
    Linhas: 003 (T. Maranata / Rodoviária – Eixo T – 7), 023 (Flamboyant / Campinas), 027 (T. Bandeiras / T. da Bíblia – Via T – 7), 169 (Morada Nova / Centro / Rodoviária), 187 (T. Pq. Oeste / Rodoviária/ Via Detran), 400 (Circular – Via Independência), 401 (Circular – Via Pç. Walter Santos), 900 (Circular sentido Horário) e 951 (Circular Marista / Novo Horizonte / Garavelo). Todas param na entrada da feira!
    História: De acordo com a prefeitura, esta é a segunda maior mostra da capital goiana e conta com mais de novecentos expositores. Cerca de 10 mil pessoas passam pelo local a cada sábado. Os visitantes da feira encontram uma grande variedade de produtos: de roupas a produtos místicos, passando, é claro, pelas famosas barraquinhas com pratos típicos da culinária goiana. Alimentos que, além de gostosos, são saudáveis: todos os pratos são preparados mediante controle e fiscalização da vigilância sanitária municipal. A feira foi criada em 29 de dezembro de 1992, quando o poder público cedeu aos apelos de expositores que não conseguiam vagas na Feira da Praça do Sol.

    Feira Hippie

    Feira Hippie - crédito: Prefeitura de Goiânia

    Dia da Semana: Domingo das 7h às 14h
    Linhas: 007 (T. Vl. Brasília / Centro / Rodoviária), 050 (T. Dergo / Nova Veneza), 160 (T. Praça A / Santa Helena / Centro), 400 (Circular – Via Independência), 401 (Circular – Via Pç. Walter Santos) e 900 (Circular sentido Horário. Desça na Avenida Independência, direto na Praça do Trabalhador onde ocorre a feira.
    Linhas alternativas: 002 (Pq. Atheneu / Centro / Rodoviária), 003 (T. Maranata / Rodoviária – Eixo T – 7), 013 (T. Rec. Bosque / Rodoviaria / Centro), 169 (Morada Nova / Centro / Rodoviária), 187 (T. Pq. Oeste / Rodoviária/ Via Detran). Desça na Avenida Goiás, direto na Praça do Trabalhador onde ocorre a feira.
    História: Esta é uma das mais tradicionais feiras da cidade, que acontece aos domingos na Praça do Trabalhador. Se considerarmos sua trajetória inicial na década de 1980 (quando os hippies expunham suas peças de artesanato no Parque Mutirama) a feira tem trinta anos de existência. Do Mutirama, os feirantes passaram a exibir os produtos na Praça Cívica e Avenida Goiás, até o local atual.Mesmo com a participação cada vez maior de outros feirantes, a tradição “hippie” se manteve. O setor de artesanato da Feira Hippie ainda é um dos mais procurados: são peças feitas no tear, tachos de cobre, cerâmica, pedra sabão, crochê, licores, porcelanas pintadas à mão, etc. A feira tem ainda o setor vestuário, que recebe visitantes até mesmo de outros estados, que compram no atacado para revenda. Quem quiser dar uma pausa nas compras para comer alguma coisa, pode se deliciar nas barracas de alimentos, com muita comida típica do estado.

    Feira Entardecer

    Feira Entardecer - crédito: Prefeitura de Goiânia

    Dia da Semana: sexta-feira das 16 às 21h
    Linhas: 020 (T. Garavelo / T. da Bíblia – Via T. Isidória), 021 (Pq. Atheneu / Flamboyant / T. Bíblia), 283 (T. Sen. Canedo / T. Bíblia – Via Goiás Carne) e 905 (Parque Atheneu / Praça Universitária / Praça Cívica). Desça no último ponto Rua 115. Basta atravessar a rua para começar as compras!
    História: Esta feira surgiu com a ideia de distribuir as exposições de arte e artesanato para lugares mais afastados do centro da cidade. Começou no Cepal do Jardim América, mas a baixa frequência de visitantes fez com que a exposição fosse deslocada para o Cepal do Setor Sul. São mais de duzentos expositores distribuídos em cinco seções: confecção, vestuário, alimentos, artesanato e bijuterias. As peças vendidas são conhecidas pelos goianienses por terem preços mais.