• Segurança para o transporte público coletivo

    16/01/2019 Categoria: Segurança

    Representantes do RedeMob Consórcio se reuniram com a Polícia Militar para tratar sobre a segurança no transporte

    Na manhã do dia 15 de janeiro, o Diretor de Transporte do RedeMob Consórcio, Cézane Eduardo de Siqueira, e o Gerente de Segurança, Sandro Guimarães Santos, se reuniram com o comandante do Policiamento da Capital, coronel Márcio, e com a comandante do 38º BPM/CPC, tenente coronel Heloísa, e o comandante do Batalhão de Terminal/CPC, Major Toledo.
    Durante a reunião foram tratados diversos pontos voltados para a segurança dos clientes do transporte público coletivo da região metropolitana. Os resultados dos trabalhos realizados pela Polícia Militar desde o início da parceria, como a redução nos índices de criminalidade. Além de firmar novas parcerias para garantir a segurança dentro dos terminais, suas imediações e dentro dos ônibus em toda a capital.

  • Patrulha feminina do Batalhão de Terminal reforça a segurança entre as passageiras do transporte público

    05/12/2018 Categoria: Segurança

    O Batalhão de Terminal implementou nesta segunda-feira, 03, a patrulha feminina no transporte público coletivo da Região Metropolitana de Goiânia. Esta é uma modalidade de policiamento direcionada para o público feminino. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o objetivo é quebrar as barreiras que distanciam as mulheres do policial militar, e assim, contribuir ainda mais com a segurança na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC).

    Segundo dados do RedeMob Consórcio, 65% dos usuários do transporte coletivo são compostos por mulheres. As equipes de PMs femininas serão empregadas em intervenções voltadas para esse público, em respeito e atenção às peculiaridades delas. Todas as intervenções contarão com o apoio dos PMs dos terminais, salvo aquelas em banheiros femininos ou que suscitem atenção diferenciada.

    De acordo com comandante do Batalhão de Terminal, major Bráulio de Souza Bessa, algumas mulheres têm dificuldade em se abrir e conversar com o PM masculino. “Com a patrulha feminina, nós queremos nos aproximar, dar condição para a mulher se sentir mais à vontade para nos passar informações relacionadas aos crimes que elas são vítimas, especialmente, sobre assédio nos ônibus. Porém, o objetivo maior é a humanização do nosso trabalho voltado para as usuárias do transporte coletivo”, completou.

    Ainda segundo o major, outro viés que está sendo trabalhado com a patrulha feminina do Batalhão de Terminal é o combate à criminalidade que envolve o público feminino. “Percebemos que algumas quadrilhas estão usando as mulheres em crimes como tráfico de drogas, pequenos furtos e receptação de materiais furtados e roubados no transporte coletivo. Esse reforço feminino de PMs irá nos auxiliar em algumas ações”, ressaltou o comandante.

    Para o gerente de segurança do Redemob Consórcio, Sandro Guimarães, a implantação da patrulha feminina pelo Batalhão de Terminal, é mais uma brilhante ação estratégica no combate à criminalidade no transporte público coletivo. “De forma preventiva, as ações de abordagens à suspeitas que transitam pelos terminais e estações da Rede Metropolitana de Transporte Coletivo, trarão maior sensação de segurança ao público feminino usuário do sistema. Além do atendimento legal, teremos uma maior aproximação da força de segurança pública com as usuárias do transporte público coletivo.  Acreditamos no êxito total do projeto lançado pela Secretaria de Segurança Pública”, acrescentou.

    Com a patrulha feminina dois aspectos importantes estão sendo desenvolvidos nos terminais de integração e estações do Eixo Anhanguera, o preventivo, que é de aproximação com o público feminino, e o repressivo, que pretende fechar o cerco contra a criminalidade e proporcionar ainda mais segurança para os usuários do transporte público coletivo da RMG.

  • O preço do vandalismo para o transporte público por ano equivale a 15 ônibus novos

    20/11/2018 Categoria: Segurança

    Além da depredação do patrimônio público no caso dos terminais e estações, há ainda a indisponibilidade para operação dos veículos vandalizados, o que impacta diretamente no atendimento ao cliente do transporte público coletivo

    Na Região Metropolitana de Goiânia, ocorrem anualmente cerca de 192 atos de vandalismo aos ônibus do transporte público coletivo, ou seja, cerca de 16 veículos são retirados de circulação todos os meses por algum dano causado pelos próprios usuários. Essa retirada dos ônibus de operação acaba prejudicando todo o planejamento diário que é feito para atender as demandas de transporte de passageiros dos 18 municípios da Região Metropolitana de Goiânia atendidos pela Rede Metropolitana de Transporte de Coletivo (RMTC).

    Além dos ônibus, são registradas por ano, cerca de 72 situações de vandalismo nos terminais. O reparo e reposição de equipamentos e utensílios nestes locais, mais os gastos com reparos dos veículos que são vandalizados, somam o equivalente à compra de 15 ônibus novos por ano. De acordo com dados da RMTC, o vandalismo aos ônibus é promovido principalmente por estudantes e torcidas organizadas. Em dias de clássicos do futebol, os danos causados por torcedores dentro dos ônibus, terminais e estações são intensificados.

    Segundo o gerente de transporte da empresa Rápido Araguaia, Allânio Garcia, além do tempo que o veículo fica parado para reparo, uma média de dois ou três dias, as empresas consorciadas também são obrigadas a arcar com o prejuízo financeiro. O veículo vandalizado só volta para operação após autorização do órgão fiscalizador, a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), que faz uma inspeção para garantir a qualidade do reparo e condição de utilização do ônibus.

    Na empresa Reunidas, que atende 280 bairros da RMG, o gerente de transportes, Cláudio Lizita, lamenta as situações de vandalismo, principalmente quando passageiros também acabam sendo vítimas dos atos. “Há casos em que os ônibus são apedrejados e os passageiros feridos por estilhaços de vidros. Quando isso ocorre o motorista tem que acionar socorro médico e ainda registrar um boletim de ocorrência, atrapalhando não só o atendimento, mas prejudicando outras pessoas”, afirma.

    Os itens mais danificados dentro dos ônibus são janelas de emergência, vidros fixos de janelas, calhas do sistema de iluminação e mangueiras hidráulicas das portas automáticas. Já os principais atos de vandalismo praticados nos terminais e estações são: depredação, destruição e furtos de materiais e utensílios como lixeiras, torneiras e tampas de válvulas de descargas, especialmente dentro dos banheiros de uso público.

    As linhas com maiores índices de atos de vandalismo são as do Eixo Anhanguera, incluindo as extensões para Trindade e Goianira, a linha 574 (Terminal Bandeiras / Forteville), e a 338 (Terminal Vera Cruz / GO 060 / Jardim do Cerrado). Os terminais Cruzeiro, Bandeiras e Vera Cruz são os locais onde há maior registro de ações de vândalos. Com relação as estações do Eixo Anhanguera onde acontecem mais atos de vandalismo estão a José Hermano e Jóquei Clube.

    Nos terminais, estações e ônibus que possuem sistema de CFTV, quase sempre é possível identificar os autores de vandalismo. As equipes de segurança e profissionais que trabalham nesses ambientes possuem canais diretos de comunicação (rádio e telefone) com o Posto de Segurança de Transportes situado dentro do Centro Integrado de Inteligência, Comando e Controle – CIICC, da Secretaria de Segurança Pública (SSP), através do qual é solicitado o apoio imediato no combate aos delitos praticados.

    Existe ainda a possibilidade de os passageiros realizarem denúncias ao Posto de Segurança de Transportes através do Whatsapp (62) 98591-8952. Os vândalos identificados pela polícia são denunciados e passam a responder processo na justiça, onde este ano registram-se as primeiras condenações.

  • RMTC homenageia policiais do Batalhão de Terminal

    19/10/2018 Categoria: Segurança

    Aconteceu, ontem, 18, no auditório da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás, evento para divulgar o balanço de atividades do Batalhão de Terminal. Na ocasião, foi realizado um ato de reconhecimento por parte da Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC), ao trabalho desenvolvido pelo batalhão no serviço de segurança pública realizado nos terminais de ônibus da Região Metropolitana de Goiânia. O Batalhão de Terminal foi implantado pelo Governo do Estado de Goiás, por meio da Secretaria de Segurança Pública (SSP), em abril deste ano, e conta com um saldo bastante positivo no combate à criminalidade no transporte coletivo.

    De acordo com dados da SSP, o número de ocorrências criminais em terminais e estações do Eixo Anhanguera, em Goiânia, apresentou queda de 79% no acumulado dos últimos 12 meses, com relação ao ano anterior. Uma das principais ações foram a retiradas dos camelôs dos terminais de integração. Nos terminais administrados pela RMTC, a redução no mesmo período foi de 73%. Desde que foi implantado, o Batalhão de Terminal realizou mais de 13 mil abordagens e recapturou 108 foragidos. Também foram registradas 581 apreensões de drogas e oito apreensões de armas de fogo.

    Além do policiamento que já era feito em todos os terminais de integração, com o Batalhão de Terminal, o transporte coletivo passou a contar com efetivos fixos da Polícia Militar em todos os terminais do Eixo Anhanguera (Novo Mundo, Bíblia, Praça A, Dergo e Padre Pelágio). Foi implantado ainda, escoltas por viaturas da PM nos ônibus que fazem a linha do Eixo no período de meia noite às seis, os chamados “Corujão”. Além disso, viaturas fazem operações diariamente nas plataformas do Eixo Anhanguera, nos pontos de ônibus e em algumas linhas específicas, que necessitam de intervenção por conta de alguma situação criminal.

    Para o comandante do Batalhão de Terminais, major Bráulio de Souza Bessa, a parceria com a RMTC foi fundamental para o sucesso do trabalho dos policiais. “Esta parceria é muito importante, principalmente na logística que nos é fornecida, com salas de apoio e vigilantes treinados que auxiliam no trabalho da PM. Acreditamos que isso é salutar e essencial para o sucesso do Batalhão de Terminal e da segurança pública de forma geral. O trabalho dos nossos policiais militares em conjunto com a RMTC veio para coroar o êxito do Batalhão de Terminal”.

    Proporcionar dignidade às pessoas também é primordial nas ações diárias dos policiais militares. Para o major Bessa, é gratificante proporcionar segurança as pessoas, porém, não menos importante, é proporcionar dignidade. “A população que frequenta os terminais é uma população carente e que precisa de algum alívio na sobrecarga das dificuldades da vida, ficamos felizes por participar e promover um bom trabalho de segurança nos terminais”, afirmou.

    O gerente de segurança do Redemob Consórcio, Sandro Guimarães, também comemorou os resultados apresentados. Para ele, a criação do batalhão representa um divisor de águas em relação a presença da segurança pública no transporte coletivo, trazendo com a efetividade dos militares, a redução da criminalidade e o aumento da sensação de segurança imediatamente à sua implantação. “Os resultados são frutos dessa parceria, o que nos mostra ser fundamental e essencial para que tenhamos uma melhoria contínua na prestação de um serviço digno aos nossos clientes”, acrescentou.

  • Batalhão de Terminal garante mais segurança no transporte público

    16/08/2018 Categoria: Segurança

    A presença do Batalhão de Terminal já apresenta resultados positivos para a população. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, entre abril e julho deste ano, houve queda de 66% no registro de roubos a usuários do transporte público em comparação com o mesmo período de 2017. A medida já foi ampliada para Aparecida de Goiânia e Luziânia.

    A Polícia Militar (PM) tem desenvolvido ações específicas de policiamento no transporte público coletivo na capital, resultando em maior segurança aos usuários do serviço.

    Segundo o gerente de Segurança de Transportes do RedeMob Consórcio, Sandro Guimarães, a presença da polícia nos terminais e as ações diárias promovidas pelo Batalhão de Terminal proporcionam maior sensação de segurança aos clientes do transporte coletivo.

    O comandante do Batalhão do Terminal, Major Bessa, afirma que a parceria com o RedeMob Consórcio auxilia na atuação da polícia. “O Consórcio dispõe de um aparato tecnológico que realiza o monitoramento por meio de equipes que nos encaminham as ocorrências em tempo real, facilitando nossa ação.”

    Além dos usuários do transporte, os permissionários do Terminal Padre Pelágio também já sentem a diferença na rotina com a presença da PM. Para Marcos Silva Rodrigues, permissionário no terminal há 15 anos, as melhorias são visíveis. “Todos percebemos. Hoje trabalhamos com segurança.”

    Entre as medidas de atuação da PM estão a possibilidade de registro do TCO (Termo Circunstancial de Ocorrência) dentro do terminal, a disponibilidade de um meio de comunicação direta com a polícia, por meio do totem que possibilita acesso direto à polícia, além das viaturas e dos profissionais da PM dentro dos terminais, mais próximos à população.

    Totem localizado no Terminal Padre Pelágio possibilita acesso direto à polícia

     

    Confira a matéria veiculada pela TV Goiânia Band sobre o assunto clicando aqui.

Categorias

Posts recentes

Tags